Teatro Por Que Não?

quarta-feira, novembro 07, 2018

O teatro é uma celebração

Se tem uma definição para o festival ENTREVERO, cabe a palavra celebração.

Placa convite momentos antes de iniciar o Amores os Montes na UFSM
Foto: Walesca Timmen

Passamos oito dias celebrando o encontro e o teatro, das mais diversas formas. São cores diversas as que pintaram essa semana de oito dias, mas que ela foi colorida temos certeza.

Alunos e professores da Escola Reinaldo Coser em uma das sessões do Espetáculo da Bailarina PernetaFoto: Walesca Timmen

O Espetáculo da Bailarina Perneta, da Cia Fita Crepe, de Novo Hamburgo - RS
Foto: Walesca Timmen

Nosso festival foi de todos. Nossa cidade celebrou um encontro artístico único. A quem esteve em um, dois ou oito espetáculos, nosso sincero agradecimento. A quem acreditou em nosso trabalho, depositou sua confiança e apoio, muito obrigado. A construção desse grande entrevero só foi possível graças a todos vocês. Sem vocês, não há nós.

Debate 'Diálogos teatrais', no Cusco Baio
Foto: Walesca Timmen 

Workshop 'O Real no Teatro de Tadeusz Kantor', com João de Mello Alvim, da Folha de Medronho (Loulé - Portugal)
Foto: Anderson Martins

As pessoas que recebemos sempre deixam um pouco de si conosco. Assim como levam um pouco de nós. O acontecimento que é um festival de teatro nos lembra de que somos muitos, espalhados pelo mundo inteiro, mas que quando necessário somos/estamos juntos, pelo mesmo fim. Nossa força é tremenda, o teatro é transformador.

Espetáculo PARADJANOV - A Celebração da Vida, do ASTA Teatro e Outras Artes (Covilhã - Portugal)
Foto: Walesca Timmen


Espetáculo Ladra Terra - Uma Comédia Medieval, do Teatro Universitário Independente (Santa Maria - RS)
Foto: Walesca Timmen

A marca de uma semana de vésperas de eleição foi presente. Findar esse evento no dia do segundo turno das eleições foi histórico. O público, que ao chegar no teatro dizia "vim para me sentir entre os meus" só comprovou o que já pensávamos: nós temos que celebrar, temos que estar juntos. Nos tempos mais difíceis, nossa resistência será gigante.

Mãe-fúria do espetáculo Amores aos Montes em ação
Foto: Walesca Timmen

Workshop 'Iniciação ao Teatro do Oprimido', com Cristiano Bittencourt (TUI - Santa Maria - RS)
Foto: Anderson Martins

Nada melhor que esses registros fotográficos para que tenham conhecimento de como e quanto esse momento foi transformador. Pra todos nós.

Felipe (TPQN) e Alexandra (Folha de Medronho) no encerramento do Festival ENTREVERO
Foto: Walesca Timmen

Espetáculo Os Sete Gatinhos, da Cia Retalhos de Teatro (Santa Maria - RS)

Temos alegria que não cabe no rosto e temos vontade que escapa os limites do corpo. Vamos fazer mais e mais. 

Família TPQN feliz e contente em uma das últimas atividades do ENTREVERO
Foto: Walesca Timmen

Que o ENTREVERO tenha uma vida longa de muito encontro, teatro e celebração. Viva!

quarta-feira, outubro 10, 2018

Que comece o ENTREVERO!

É com enorme felicidade que realizamos a primeira edição deste festival que se projeta como um bonito ponto de encontro teatral em Santa Maria. Queremos fazer um evento em que a mistura de pessoas, culturas e ideias seja a tônica de uma programação diversificada, na qual artistas e público possam aproveitar na mesma intensidade.



No momento em que o discurso de ódio ganha cada vez mais forças no Brasil e que as diferenças são utilizadas para distanciar pessoas, queremos estimular o oposto: a união.

O teatro é o local de encontro onde o olho no olho pode derrubar a ignorância, é o espaço de ser escutado e saber escutar. Pois quando a vida passa no palco, percebemos que a humanidade existe em todo mundo e que a diversidade é o que nos torna tão especiais. Portanto, este festival é também um espaço de resistência aos retrocessos que ameaçam dominar um Brasil gigante.

Espetáculo PARADJANOV - A Celebração da Vida, do ASTA TEATRO (Covilhã - Portugal) compõe a programação

Para começar esta caminhada, o 1º ENTREVERO conta com uma programação montada com muito carinho. Se a escassez de recursos financeiros é nossa realidade, a criatividade e as parcerias são nosso tesouro.

Ao conferir a nossa programação, você verá que Brasil está majoritariamente representado por nossos artistas santa-marienses, guerreiros que resistem em meio às dificuldades de se fazer cultura no interior de um país que pouco os valoriza, acompanhados, em quantia menor, por artistas de outros cantos brasileiros, também resistentes, e que representam um pouco da imensidão que é o teatro nacional. Já nas participações internacionais, teremos aqui grupos que conhecemos em nossas andanças por aí, parcerias e amizades que o teatro nos fez encontrar e que agora orgulhosamente recebemos em nossa casa e compartilhamos com o público de Santa Maria.

Os Sete Gatinhos, da Cia Retalhos de Teatro, é um dos quatro espetáculos locais que compõem a programação.

Nossa prioridade é (nesta e em futuras edições) trazer artistas de países de língua portuguesa e vizinhos latino-americanos, reforçando laços culturais e valorizando o teatro realizado nestes locais.

Por fim, nosso desejo é que você aproveite este festival como quiser e puder. Não tenha dúvidas em fazer parte desse ENTREVERO, porque quando a gente se mistura, somos ainda maiores.

Confira a programação e não fique de fora!

Teatro Por Que Não?

ENTREVERO - PARADJANOV – A Celebração da Vida

O ENTREVERO - Festival Internacional de Teatro de Santa Maria apresenta o espetáculo PARADJANOV - A Celebração da Vida, do grupo ASTA TEATRO, de Covilhã - Portugal. 
O espetáculo abre o festival no primeiro dia de programação, 21 de outubro, às 20h, no Theatro Treze de Maio. Os ingressos podem ser adquiridos na bilheteria do Theatro a preços populares (R$10 e R$5).


SINOPSE
A beleza vai salvar o mundo…
Dizem que um homem não deve expor o seu amor em praça pública, EU, respondo o contrário – Não há nada melhor, mais puro e mais digno que se possa expor, do que o amor!
Chamaram-me louco, degenerado… Negaram-me tudo, tudo!
Dizem que sou um criminoso, pois guiaram-se apenas pelas aparências que fabricaram e pela deturpação dos meus sonhos… retalharam-me o corpo e a alma com os seus punhais de mentiras…
A minha vingança é o amor. Conseguem ouvir-me? Ouvem-me bem? A minha vingança é o amor.
Luzes. Câmara. Ação!

Espetáculo PARADJANOV - A Celebração da Vida - Foto: Aureo Gomez

FICHA TÉCNICA
Dramaturgia e Direção: Pati Domenech
Assistente de Direção: Rui Pires
Ator: Sérgio Novo
Atrizes vídeo: Maria do Carmo Teixeira, Maria Vidal e Narine Grigoryan
Tradução Espanhol-Português: André Costa
Coordenação do projeto: Lilit Mnatsakanyan
Realização e Montagem Vídeo: João Morais Inácio
Diretor de Cena de Julieta: Gagik Madoyan
Coordenador do Equipamento de Gravação: Artur Asoyan
Coordenador de Gravação: Sergey Tovmasyan 
Diretor de Iluminação: Vahe Terteryan
Câmera: Samvel Babasyan
Fotografia: Aureo Gomez e Viktorya Bagoyan
Responsável Técnico: Pedro Fonseca
Maquiagem: Tamara Baroyan
Guarda Roupa: Paula Roca, São Bizarro, Syunetsi Fasion e Artyom Syunetsi
Projeto em Colaboração com o Festival Internacional de Teatro Armmono 
Diretora: Marianna Mkhitaryan
Figurantes: Fernando Jorge, Francisco Afonso, Jorge Luís, José Santarém e Mário Mendes
Projeto Financiado por: Ministério da Cultura e Direção Geral das Artes
Apoio à Circulação: Fundação Calouste Gulbenkian
Coprodução: Abrego Teatro, La Teatrería e Festival Internacional Solo Tú
Apoios: Câmara Municipal da Covilhã e Instituto Português do Desporto e Juventude
Agradecimentos: @rroba Tapas & Wine bar, Coolabora, Cruz Vermelha, Delegação da Covilhã, New Hand Lab, Megerian Carpet, Museu de Arte Sacra da Covilhã, M4M Productions, João Garra e José Santarém
Idiomas: Português, Espanhol e Arménio
Duração: 65 minutos

Espetáculo PARADJANOV - A Celebração da Vida - Foto: Aureo Gomez

SERVIÇO
O que: Espetáculo PARADJANOV - A Celebração da Vida, do grupo ASTA Teatro (Covilhã, Portugal)
Quando: 21 de outubro de 2018, às 20h
Onde: Theatro Treze de Maio
Quanto: R$10 (inteira) e R$5 (meia - estudantes, idosos)
Classificação: 12 anos

ENTREVERO - No Hay Flores en Estambul

ENTREVERO - Festival Internacional de Teatro de Santa Maria apresenta o espetáculo No Hay Flores en Estambul, de Iván Solarick, de Montevidéu - Uruguai. 
O espetáculo acontece no dia 27 de outubro, penúltimo dia de festival, às 20h, no Theatro Treze de Maio. Os ingressos podem ser adquiridos na bilheteria do Theatro a preços populares (R$10 e R$5).


SINOPSE
Brad Davis, juntamente com Oliver Stone e o ator que escreve para se recordar das suas próprias peripécias de vida, encontram-se em Istambul. Ao fazê-lo, se fundem em um mesmo cenário cercado pela frágil realidade de hoje e a aparente e distante ficção do mítico filme “Expresso da Meia-noite”. Enquanto isso, uma dúzia de personagens decide intervir e interpelar o agora – com os seus temas quentes – desde a própria estreia do filme em 1978. Como quase sempre em qualquer história, cada um a seu tempo, Davis, Stone e o próprio ator, terão de responder “como sabem, como podem e, finalmente, como querem.”

Espetáculo No Hay Flores en Estambul - Iván Solarich

FICHA TÉCNICA
Dramaturgia e atuação: Iván Solarich
Direção: Mariano Solarich
Cenografia e iluminação: Agustín Romero
Figurinos: Lucía Acevedo
Seleção musical:Mariano Solarich
Realização audiovisual: Ana María Llano
Duração: 70 minutos


Espetáculo No Hay Flores en Estambul - Iván Solarich

SERVIÇO
O que: Espetáculo No Hay Flores en Estambul
Quando: 27 de outubro de 2018, às 20h
Onde: Theatro Treze de Maio
Quanto: R$10 (inteira) e R$5 (meia - estudantes, idosos)
Classificação: 12 anos

ENTREVERO - Alguém me sabe dizer se o meu chapéu está bem posto?

ENTREVERO - Festival Internacional de Teatro de Santa Maria apresenta o espetáculo Alguém me sabe dizer se o meu chapéu está bem posto?, da companhia Folha de Medronho, de Loulé - Portugal. 
O espetáculo encerra o festival no dia 28 de outubro, às 20h, no Theatro Treze de Maio. Os ingressos podem ser adquiridos na bilheteria do Theatro a preços populares (R$10 e R$5).


SINOPSE
Sozinha em cena e na vida, tendo como interlocutor vários animais de estimação, uma mulher da limpeza, ou técnica Assistente de Higiene e Limpeza, reflecte em voz alta sobre o que vê e ouve nos pequenos mundos onde o seu dia-a-dia se consome.
A narrativa não segue uma lógica. São pensamentos soltos em voz alta, desfile de pequenas estórias que constroem uma vida, pedaços agridoces de um mundo que gira entre a crueldade, o sarcasmo e o 'nonsense'.
Deliberadamente é um espectáculo que não quer ditar uma moral, mas também não tem a pretensão de ser amoral. Com tanta moralidade proclamada que nos entra pelos olhos e ouvidos dentro diariamente, para logo depois ser esquartejada, o melhor é ser o espectador a escolher o chapéu que lhe interessa e perguntar: “Alguém me sabe dizer se o meu chapéu está bem posto?”.



Espetáculo Alguém me sabe dizer se o meu chapéu está bem posto?, da Cia Folha de Medronho - Foto: Rafael Guerreiro 

FICHA TÉCNICA
Texto: Karl Valentim e Pedro Malaquias
Encenação: João De Mello Alvim
Produção e interpretação: Alexandra Diogo
Assistência de produção e apoio vocal: Sara Mendes Vicente
Sonoplastia, design e comunicação: Martim Santos
Assistência de comunicação: Rafael Guerreiro
Apoios: Câmara Municipal de Loulé, Cine-Teatro Louletano, Casa da Cultura Loulé, ACTA - A Companhia de Teatro do Algarve, Governo de Portugal e Secretaria de Estado da Cultura/Direção Geral das Artes
Duração: 55 minutos



Espetáculo Alguém me sabe dizer se o meu chapéu está bem posto?, da Cia Folha de Medronho - Foto: Rafael Guerreiro

SERVIÇO
O que: Espetáculo Alguém me sabe dizer se o meu chapéu está bem posto?, da Cia Folha de Medronho (Loulé - Portugal)
Quando: 28 de outubro de 2018, às 20h
Onde: Theatro Treze de Maio
Quanto: R$10 (inteira) e R$5 (meia - estudantes, idosos)
Classificação: 12 anos