segunda-feira, maio 30, 2011

Última semana de Mosaico

À todos que participaram ontem do 1º MOSAICO - Mostra Artística Independente do Catálogo Teatro Por Que Não?, mais uma vez, muito obrigado! Tivemos uma ótima apresentação à noite e, agora, estamos nos organizando para sábado que vem fechar com muita satisfação o evento.




Não deixe também de acompanhar as reportagens e as críticas dos espetáculos do Mosaico no site da revista o Viés, a Estante - Especial Mosaico. Leia agora um pequeno trecho sobre os três primeiros espetáculos apresentados na mostra.


A NATURALIZAÇÃO DOS PERSONAGENS, pelo viés de Caren Rhoden

"(...) É dado o tal caminho obscuro para o espectador, no entanto sem a claridade, a qual Dilma e Leninha também gostariam e não encontram, quem assiste não se vê, habitualmente, mas se choca. Sabido, porém oculto. A cada vez é mais intensa a troca, o jogo. Nessa apresentação, vimos as características de uma naturalização e, para quem assiste, ainda que tão rude casa, é bom e sinal de maturidade de O Abajur Lilás, que os personagens sintam-se em casa.(...) "



O VIGOR DAS COISAS ETÉREAS, pelo viés de Caren Rhoden

"(...) A atriz Juliet Castaldello, em seu monólogo, montou a situação para deslumbrar o espectador. Entre as ótimas escolhas estéticas, a luz, ora amarelada, ora avermelhada, em outros momentos centralizada em uma personagem, faz no chão do palco sombras certas, junto do emaranhado através da teia de tecido ao fundo. O calor moreno de Gabriela está aí, o sabor e o cheiro da comida preparada. (...)"

Leia a reportagem na íntegra aqui.


COMO LER UM ESPÍRITO AFOGADO?, pelo viés de Caren Rhoden

"(...) O cenário simples é realmente bom e agradável. Em comparação ao tempo em que ficamos em silêncios vazios, como quando o ator olha para seu público, as cenas com os baldes poderiam merecer maior duração, aproveitando que compõe a estética do palco tão bem. A imagem de as lágrimas sendo “retiradas” da água do balde e postas no rosto é tão encantadora que poderia ser explorada mais lentamente. O momento em que, antes de dar o texto, a personagem Povoado coloca as duas mãos bem abertas viradas para cima, joelhos e cotovelos dobrados e no rosto uma expressão de cansaço, é instigante, deseja-se saber o que é que está sendo carregado e o por quê daquele modo. (...) "



Confira agora as fotos da apresentação de ontem!





Fotos: Fabrício Leão Corrêa


Acompanhe no site as notícias da última semana do 1º MOSAICO - Mostra Artística Independente do Catálogo Teatro Por Que Não?, que terá no final da sua programação o espetáculo Fim de Partida

Desejamos à todos uma ótima semana! Abraços!

Nenhum comentário:

Postar um comentário