Teatro Por Que Não?: A arte que nos faz voar

terça-feira, junho 07, 2011

A arte que nos faz voar

A preocupação sempre existiu. Fazer um evento assim, totalmente independente? Será que dá? E o público? Com certeza, sempre foi o que mais preocupou. Nos esforçamos muito, e é claro, sempre pensando que poderíamos ter nos esforçado mais, mas tudo o que foi, e como foi, valeu muito a pena. O público esteve presente, se fez presente, nas apresentações, nos debates, nas conversas, na internet. E ele está aí.

Clov e Hamm em seus jogos ensaiados.

Com a apresentação do espetáculo Fim de Partida, no último sábado, no Espaço Cultural Victório Faccin, encerramos a primeira edição (de muitas outras que virão, assim esperamos) do MOSAICO - Mostra Artística Independente do Catálogo Teatro Por Que Não?. Esse nome, que esteve em nossas bocas centenas de vezes nos últimos dois meses, transformou-se em uma aventura infinita, misteriosa, que as vezes parecia um tanto impalpável, mas com o desenrolar e desenvolver das semanas tornou-se muito concreta. Cheia de peripécias, e, mesmo parecendo piegas, foi uma aventura cheia de grandes emoções.

Nagg e Nell dividindo um biscoito... Ou pelo menos tentando...

Cada espetáculo teve e tem suas particularidades. Parece que no sábado, a particularidade de Fim de Partida foi a bela interação entre público e espetáculo, que se delineou de uma maneira positiva desde os dez minutos iniciais, fazendo com que os atores se entregassem ao que faziam. Assim como aconteceu no debate, onde o público fez suas colocações, e os que já conheciam a peça discursavam sobre as mudanças que, ao seu ver, foram positivas, enquanto que os que não conheciam relatavam sua experiência ao assistir o espetáculo, deixando-nos suas impressões. De pessoas para pessoas, com toda a certeza essa nossa arte foi feita para que o ser humano possa voar.

Público presente em peso, em uma Santa Maria que fazia 10 graus!

Debate, sempre produtivo e inspirador!

Não tem como não se emocionar quando, ao final do Mosaico, uma espectadora que assistiu à todas as sessões disse: "E agora, o que vou fazer sábado que vem às 20:30? Fiquei orfã!" Com o público estando tão presente, não temos como não deixar imensos e infidáveis agracedimentos, e um enorme abraço, seguido de um sincero muito obrigado a cada pessoa que compartilhou isso conosco. Que essa cidade cada vez mais se coloque imersa em arte, que venham muitos Mosaicos, que surjam muitos e mais grupos, que as movimentações não parem nunca! Que viva! Que vivamos!

Fotos: Aline Ribeiro
Texto: Juliet Castaldello

Um comentário:

  1. Ví apenas duas peças; enfim: um par de asas. Arteofício para voar.
    Parabéns à todos.

    ResponderExcluir