quarta-feira, janeiro 09, 2013

Teatro por quê?

Olá amigos,

o ano novo chegou e com ele diversas novidades e trabalhos! No mês de janeiro vamos recarregar nossas energias e aproveitar para afinar todos os planos para este ano que promete ser maravilhoso. Em breve já divulgaremos nossas atividades para fevereiro, retornando com força total.

Mas como não conseguimos ficar parados nunca, damos início agora à nossa nova sessão virtual de teatro. Isso mesmo, bolamos um espaço aqui no site pra discutir aquilo que mais amamos fazer: teatro.

De tempos em tempos vamos publicar textos criados por convidados que se aventurarem a responder a pergunta: Teatro por quê?

A ideia é bem simples, basta nosso convidado responder de forma livre (como bem entender mesmo!) a pergunta que nos define e nos motiva. 

Para começar essa série de textos, convidamos o nosso querido amigo Laédio José Martins. Confira o texto e sinta-se livre para opinar, criticar, discutir, enfim, pensar também arte conosco:



Teatro por que não?

Porque não, ora, por motivos óbvios!!!

E pra você que já foi pensando que ‘porque não’ não é resposta (- Castelo Rá-Tim-Bum! como um espirro), raciocina (?) comigo: que sentido, objetivo, razão existe em querer praticar ou apreciar algo que nos aproxima do humano!!!

Uma arte que existe há, sei lá, 2.500 anos (isso no Ocidente, pois se considerarmos o Oriente, aí passamos para, sei lá, 5.000 anos), enfim...

Teatro Por Que Não? e pronto!!!

Vamos esquecer o passado. Precisamos nos focar nas novas tecnologias, na cibernética, na física quântica,na neurociência, no cinema 3D... Precisamos descobrir os meios para deixar o ser orgânico para trás, como coisa do passado, desatualizado, ultrapassado, obsoleto. Vamos nos concentrar nas possibilidades do ser inorgânico, artificial, modelado a metais nobres e silicone, programado para ser, para ser... para deixar de ser, para não ser, para simplesmente estar. Não, não simplesmente estar, mas estar a serviço de qualquer coisa, que não seja humano, definitivamente não.

O Teatro é demasiadamente relativo ao humano, e por isso não devemos perder nosso tempo pensando, fazendo ou assistindo Teatro. Temos tantas coisas mais importantes e mais interessantes do que o Teatro para nospré-ocuparmos, que não faz sentido tal ocupação (ou desocupação, porque esse povinho do Teatro são um bando de desocupados!)

Se houver algum tipo de saída para o que se vê no mundo hoje, ela passa longe do humano e, por consequência, longe do Teatro!!! A solução é sermos máquinas e somente reproduzirmos aquilo para que somos programados, que nossos movimentos mecânicos e sem vida são capazes de reproduzir e então, por certo, entraremos numa nova era de poder, onde os interesses de não sei que entidade ou legião estarão no cúmulo de sua saciedade. Neste ponto, estaremos todos no auge do que fora um dia a civilização e, nesses dias, não teremos mais vontade própria e reagiremos como as formigas em sua avançadíssima sociedade. Não, formigas não porque elas são, em essência, orgânicas, e não, não é isso que queremos.

O que queremos é a robotização, apatia, nada de pensar ou esforçar-se em demasia e por isso Teatro não.

P.S.: Será que robôs são capazes de perceber sutilezas, como ironia?


Santa Maria, Dezembro de 2012, antes do fim do Calendário Maia.


Laédio José Martins, Ator e Diretor e Mascareiro do Coletivo Teatral Ateliê do Comediante. Cosmopolitan nowhere man...



*Lembramos que o texto foi publicado na íntegra, sem qualquer corte ou edição de nossa parte e seu conteúdo não necessariamente expressa o posicionamento do Teatro Por Que Não?.


Fique atento, ainda esse mês teremos mais textos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário