quarta-feira, março 27, 2013

Atração internacional na prévia do 3º MOSAICO!

Olá!

O 3º MOSAICO está prestes a chegar e o Teatro Por Que Não? está a todo vapor finalizando a programação que preencherá o mês de maio em Santa Maria. 
E agora, em abril, teremos uma atração internacional que virá a Santa Maria para uma prévia do 3º MOSAICO! Diretamente da terra das oliveiras, o encenador português João Garcia Miguel ministrará, em Santa Maria, o workshop: Teatro e Performance - Corpo, criatividade e reciprocidade. A atividade também conta com a participação de Sara Ribeiro, atriz assistente de João Garcia Miguel.



O workshop acontecerá de 6 a 10 de abril, nos horários das 9h às 12h e das 14h às 17h (exceto dia 10 que acontecerá apenas no turno da manhã). A atividade será realizada no ECVF e as inscrições podem ser realizadas através do formulário:

Reservas para o Workshop: "Teatro e Performance - Corpo, criatividade e reciprocidade"

Logo abaixo, conheça um pouco do conteúdo que será abordado.

Direção e encenação de João Garcia Miguel - Lilith, de Francisco Luís Parreira no Teatro S. Luiz, Lisboa - 2012 - Foto de  Miguel Lopes

Workshop de Teatro e Performance - Corpo, criatividade e reciprocidade
Propomos a realização de um atelier experimental aberto, onde a discussão e a partilha serão parte integrante do crescimento interior e do desenvolvimento técnico das individualidades participantes. Partindo de fontes diversificadas: textos, imagens, excertos de filmes, contextos sociais ou biográficos, aliando metodologias e exercícios que conjuguem técnicas clássicas e contemporâneas propõe-se trabalhar de forma intensiva a construção de situações teatrais e performativas. Tendo como finalidade a construção de exercícios de performance individual e ou colectiva serão disponibilizadas formas de abordagem física e teórica. Serão exploradas e abordadas técnicas e processos que cruzem as artes performativas com as artes visuais.

O QUE: Workshop de Teatro e Performance - Corpo, criatividade e reciprocidade, com o encenador João Garcia Miguel e a atriz Sara Ribeiro (Portugal)
QUANDO: 6 a 10 de abril, nos turnos manhã e tarde

Investimento: R$70,00
Inscrições: das 14h às 18h, no Espaço Cultural Victorio Faccin (Duque de Caxias, 380 / Fone: 3217-6600)
Número de vagas: 18

JOÃO GARCIA MIGUEL - pequena biografia 

João Garcia Miguel - Foto de Bruno Simão - 2011

João Garcia Miguel inicia a carreira profissional nos anos 80 onde iniciou um percurso interdisciplinar. Funda e participa em diversos e significativas organizações artísticas que na época se apresentaram como propostas alternativas ao estado vigente e institucional das artes, percorrendo diferentes expressões artísticas como a música, a pintura, a instalação, a performance, o vídeo, a escrita. 
É um dos fundadores dos colectivos artísticos: Canibalismo Cósmico, Galeria Zé dos Bois e OLHO – Associação Teatral, da qual foi director artístico entre 1991 e 2002 e dirigiu diversas peças, das quais destaca: El em 1991, Zona em 1998, “Fábrica do Corpo Humano” na Porto 2001 Capital Europeia da Cultura e “DQ- éramos todos nobres cavaleiros” co-produção Festival ACARTE em 2001. 

Direção e encenação de João Garcia Miguel - Lilith, de Francisco Luís Parreira no Teatro S. Luiz, Lisboa - 2012 - Foto de Miguel Lopes

Em 2003 fundou a companhia e inicia percurso como artista investigador. Abre em Lisboa, o “Espaço do Urso e dos Anjos” dedicado à formação e divulgação das artes performativas. Em 2008 é nomeado Diretor Artístico do Teatro-Cine de Torres Vedras. É artista associado do Actor’s Center de Roma e Milão, Itália. 
Desde 2002 envolveu-se numa vertente académica ligando-se à docência e à investigação. O Mestrado em Comunicação, Cultura e Tecnologias de Informação leva-o a um estudo introdutório acerca da hibridização das artes visuais e das artes performativas. Desde 2007 desenvolve investigação nessa área, na Universidade de Alcala de Henares, na Universidade de Granada e agora na FBAUL, Faculdades de Belas Artes de Lisboa. A sua tese centra-se sobre o corpo do artista e as noções de sacrifício e empatia. 

Direção e encenação de João Garcia Miguel - Lilith, de Francisco Luís Parreira no Teatro S. Luiz, Lisboa - 2012 - Foto de Miguel Lopes

As características do trabalho de João Garcia Miguel são: o gosto pelo risco, pela provocação, pela complexidade de abordagens, pela constante quebra de barreiras, pelo encantamento das tecnologias, um conceptualismo barroco e o seu sofisticado sentido de humor; a dimensão performativa, a utilização de aspectos biográficos, a reinterpretação e ou rescrita de textos clássicos. João Garcia Miguel conhecido, também, por “O urso” é reconhecido como um amigo dos anjos caídos e de inusitadas manifestações artísticas. A sua metodologia é a contradição. Na sua visão pessoal, o teatro tem que ser capaz de mudar o mundo interior daqueles que têm a sorte e a possibilidade de ser tocados pelas artes. O teatro, em especial, têm a capacidade de provocar experiências singulares e desenvolver a impossibilidade do real quotidiano, estimulando visões e alucinações perceptivas que estimulem uma espiritualidade singular e inter-subjectiva. Em 2008 ganha em Espanha o Prémio FAD Sebastià Gasch.

Nenhum comentário:

Postar um comentário